Daltonismo

Como é feito o diagnóstico do Daltonismo?

Como é feito o diagnóstico do Daltonismo?

Para falar sobre o diagnóstico do daltonismo, é preciso entender o que é a condição. Sendo assim, o daltonismo é um distúrbio que acomete a visão e interfere na percepção das cores. A principal característica consiste na dificuldade em diferenciar o vermelho e o verde, além do azul e o amarelo. Existe também o grupo que possui visão acromática. Ou seja, só enxerga tons de branco, cinza e preto.

No daltonismo, existe um problema com os pigmentos de algumas cores em células nervosas do olho, que, por sua vez, são chamadas de cones e estão localizadas na retina. Dessa forma, isso faz com que a pessoa apresente dificuldades em reconhecer e identificar diversas cores, tonalidades ou brilhos.

Algumas condições também podem ocasionar o daltonismo, como diabetes, Alzheimer, Parkison, leucemia e anemia falciforme. Glaucoma e degeneração macular também podem contribuir para a doença. Além disso, alguns medicamentos e produtos químicos são outras causas comuns. 

Sintomas do daltonismo

Os sintomas do daltonismo dependem da intensidade do distúrbio, da pessoa e do tipo da condição. Dessa forma, os sinais mais comuns contemplam dificuldade para enxergar cores e suas tonalidades, brilhos e distinção de tonalidades de cores iguais.

Diagnóstico do daltonismo

Para identificar se tem ou não daltonismo, é preciso procurar um oftalmologista especialista, que irá fazer exames direcionados para avaliar o seu caso. Existem quatro métodos para diagnosticar a condição, são eles:

Teste de cores de Ishihara

O teste de cores de Ishihara é o principal método utilizado para o diagnóstico do daltonismo. Ele é feito através do uso de cartões pontilhados em várias tonalidades diferentes, com letras, números ou figuras geométricas. Os cartões possuem vários círculos feitos de cores diferentes, que são difíceis de ver por pessoas com a condição. 

Anomaloscópio de Nagel

O teste anomaloscópio de Nagel é feito em um aparelho. Que, por sua vez, emite uma luz amarela na metade do campo visual. Ela faz com que a outra metade seja iluminada por diversas luzes monocromáticas verdes e vermelhas. 

Dessa forma, o paciente tem liberdade para mexer nos botões de ajuste e tentar equilibrar as tonalidades dos dois campos visuais, alterando a intensidade das cores. Assim, o médico vai observando as tonalidades ideais para o paciente. E, por fim, consegue determinar o grau e o tipo de daltonismo presente.

Lãs de Holmgreen

O teste Lãs de Holmgreen se trata de pequenas lãs coloridas pintadas em cores diferentes. Assim, o paciente deverá separá-las conforme determinado em um gabarito. Isso permitirá que o oftalmologista diagnostique o grau do daltonismo, de acordo com a distorção da ordem das cores.

Teste de tonalidades Farnsworth-Munsell 100

O teste de tonalidades Farnsworth-Munsell 100 é feito por um conjunto de blocos ou pinos de cores aproximadas e tons diferentes. Ele tem o objetivo de medir a capacidade de diferenciação de mudanças sutis de cores, ao organizá-las em ordem de tonalidade. 

Quer saber mais sobre daltonismo? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em Recife e Carpina!

Posted by Douglas in Todos
Daltonismo: o que é e quais são os sintomas?

Daltonismo: o que é e quais são os sintomas?

O daltonismo é uma condição muito conhecida, mas pouco vivenciada. É comum em brincadeiras, mas quase não conhecemos pessoas daltônicas, não é mesmo? Hoje, vamos saber um pouco mais afundo do que se trata o distúrbio, o que é e quais são seus sintomas. Fique atento e continue a leitura.

O que é daltonismo?

O daltonismo é um distúrbio que acomete a visão e interfere na percepção das cores. A principal característica consiste na dificuldade em diferenciar o vermelho e o verde, além do azul e o amarelo. Existe também o grupo que possui visão acromática, ou seja, só enxerga tons de branco, cinza e preto.

A condição recebe este nome em homenagem ao químico inglês John Dalton, que foi o primeiro a estudar este caso. 

Para entender o daltonismo, é preciso saber um pouco mais sobre o funcionamento das células do olho. Na condição, há um problema com os pigmentos de algumas cores em células nervosas do olho, que, por sua vez, são chamadas de cones e estão localizadas na retina. Isso faz com que a pessoa apresente dificuldades em reconhecer e identificar diversas cores, tonalidades ou brilho.

Algumas condições também podem ocasionar daltonismo, como diabetes, Alzheimer, Parkison, leucemia e anemia falciforme. Glaucoma e degeneração macular também podem contribuir para a doença. Além disso, alguns medicamentos e produtos químicos são causas comuns da doença.

Sintomas do daltonismo

Os sintomas do daltonismo dependem da intensidade do distúrbio, da pessoa e do tipo da condição. Dessa forma, os sinais mais comuns contemplam dificuldade para enxergar cores e suas tonalidades, além de brilhos. A pessoa daltônica também apresenta incapacidade de distinguir tonalidades de cores iguais.

Vale ressaltar que existem sintomas tão leves, que podem passar desapercebidos. O paciente pode identificar que tem a doença na fase escolar, quando aprende a identificar cores, ou em conversas com amigos. 

Para saber se tem ou não o daltonismo, é preciso procurar um oftalmologista especialista. Uma vez que irá fazer exames direcionados para avaliar o seu caso, que consistem na aplicação de questionário, teste de ishihara e eletrorretinografia.

Convivendo com o daltonismo

O daltonismo é uma condição que não tem cura, mas, se tratado, tem suas consequências minimizadas. Como é o caso das lentes de contato e óculos especiais, feitos para ajudar na distinção de cores semelhantes. 

A condição não é grave e a maioria das pessoas se adaptam a ela sem dificuldades. Assim, a ação que pode ajudar a conviver com o daltonismo é diminuir a incidência de luminosidade dos ambientes. 

Outra dica para pessoas com daltonismo é não buscar profissões que exijam a visão perfeita, como designers, maquiadores, pilotos de avião, etc. Tirando isso, a pessoa terá uma vida normal. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em Recife e Carpina!

Posted by Douglas in Todos